menu
     
     
     
     
     
     
 
  
 
 
Agudos, 23/11/2019, 00:13
menu
Instalações




30.10.08



Grego e Latim, línguas afins, no cotidiano brasileiro

Por Frei Claudino Dal´Mago

Frei Claudino Dal´Mago
É isto mesmo. Diariamente, a cultura e língua modernas se servem da cultura e língua antigas, ou clássicas, em muitos países do planeta. Elas se constituem alicerces que sustentam as línguas românicas modernas, como: o espanhol, o italiano, o francês e o português.            

A linguagem técnica de certas áreas da ciência, principalmente o Direito, a Biologia, a Medicina, a Matemática e até mesmo a Informática é greco-latina. Nas escolas de nosso País, no entanto, as línguas da antiguidade clássica, em termos de estudo, deixaram de existir no conteúdo programático. Ao mesmo tempo, porém, os manuais de Língua Portuguesa e Literatura incluem, na parte gramatical, uma lista de radicais greco-latinos, (o que já é um consolo!). Se não fosse assim, como imaginar uma árvore sem raízes? Equivaleria a construir um prédio começando pelo telhado.

Línguas antigas não são coisas do passado. Quando dizemos “filosofia” (amigo da sabedoria), ou “teologia” (discurso sobre Deus), ou “biologia” (estudo da vida), ou “hemorragia” (‘háima’, sangue; ‘roêin’, derramar), originariamente não estamos falando português, e sim grego. Ou ainda, quando informamos que alguém sofreu um ataque “cardíaco” (‘kardia’, coração), ou que o orador defendeu uma idéia “polêmica” (‘pólemos’, guerra), nada mais é do que “falar grego”, que todos entendem.  

Centenas e mais centenas de palavras foram gentilmente fornecidas pelos gregos aos renomados dicionários luso-brasileiros. Aliás, a Gramática Histórica mostra a origem e a transformação por que passaram os vocábulos latinos até se fixarem na língua portuguesa. 

A “mãe romana” também é muito generosa. Ela legou precioso tesouro à posteridade luso-brasileira: língua e cultura. O latim foi absorvido e integrado nas veias dos poetas, escritores, oradores, estudantes e falantes, através destes mais de quinhentos anos de história brasileira. A professora de Língua e Literatura, Léa Sá, da Universidade do Sagrado Coração, de Bauru (SP), teceu uma consideração muito feliz a respeito da língua-mãe: “O Português é o Latim atualizado”. As palavras: autor “supra-citado”, “objeto” e “objeção” (‘ob+ jectare’), extraordinário (‘extra+ordinis’), “etc” (‘et cetera’ = e outras coisas mais) são antigas e modernas, faladas e entendidas por todo cidadão de língua portuguesa.

Um casal jovem estava discutindo. Num dado momento, a mulher não teve dúvidas e proferiu a sentença: “Você é um idiota”. O marido retrucou: “E você não é”? Depois de alguns esclarecimentos mútuos, e sorrindo, concluíram: “Nós somos idiotas”. Na origem, “ídios” (idiota) significa ‘próprio’, ‘particular’, ‘original’, ‘sui generis’. Numa outra situação, a filha (portuguesa), 15 anos, mergulhada na Internet, quis desqualificar a mãe (romana) e lhe disse: “A senhora parece antiquada, velha, fora do tempo, morta”.   Ao quê a mãe respondeu: “Na verdade, eu estou viva até nas palavras que você acaba de proferir”. 

No mundo literário em que vivemos, é possível continuar redescobrindo a riqueza da comunicação através das línguas modernas, que saciam sua sede bebendo nas fontes originais perenes. Dessa forma, falar grego e latim não é tão difícil assim.

(*) Frei Claudino Dal´Mago chegou a Agudos pela primeira vez como professor e, 1980. Entre idas e vindas soma 20 anos de presença nessa casa de estudos. Além das aulas de francês, literatura, retórica, latim e grego, ele é também diretor do Grêmio Literário.

VEJA AINDA
Desatenção, hiperatividade e impulsividade: você já sentiu isto?, de Frei Cleiton José Senem
Professor tem cada uma! – II, de Maria Helena Lovisi
Psicologia e lógica: tem a ver?, de Frei Cleiton José Senem
Análise histórica do filme “Nós que aqui estamos por vós esperamos”
, de Flávia Arielo
A morte como “Krisis”, de Frei Claudino Dal Mago
"Francisco no campo das artes", de Frei Walter Hugo de Almeida
"O ensino de inglês", de Márcio Villas Boas Tavares
"Professor tem cada uma!", de Maria Helena Lovisi
"A pós-modernidade", de Flávia Santos Arielo
"Você acredita mesmo nisso?", de Celi de Oliveira Mazzoni
Grego e Latim, línguas afins, no cotidiano brasileiro - de Frei Claudino Dal´Mago
A vida que eu quero para mim...
- de Cláudia Regina Andreotti
Atividades físicas: um convite à saúde - de Waldemir Rodrigues de Melo
Física nas competições esportivas - João Luís Cavalieri
Dia do psicólogo - Frei Cleiton Senem, ofm
O Ano Paulino - Maria Helena Lovisi
A importância da música na Escola - Marcos Maganha

pe
| Voltar |

[Província Franciscana da Imaculada Conceição do Brasil] - Copyright © 2011 Franciscanos.org.br
Todos os direitos Reservados.